quinta-feira, 31 de maio de 2012

Na íntegra: Sprint Race, 1/18 e 2/18

CASCAVEL - O Bandsports exibiu ontem à noite o VT das provas que compuseram, no último dia 13, a primeira etapa do Campeonato Brasileiro de Sprint Race, em Interlagos. Narrei o programa a convite do Thiago Marques, que é o capitão da nova categoria.

Haverá reexibições do programa amanhã e sábado, ainda não posso informar os horários. Por via das dúvidas, para quem não viu, está aqui, cortesia do Marcos Rossini, a edição completa da etapa, tal qual foi ao ar.


A segunda etapa da Sprint Race, acompanhando a programação do Campeonato Paulista de Automobilismo, vai acontecer no dia 10 de junho.

quarta-feira, 30 de maio de 2012

Festa do interior

CASCAVEL - Está ficando interessante essa tendência de inventar moda que o Dener vem tornando cada vez mais evidente.

As provas da quarta etapa do Porsche GT3 Cup Challenge Brasil, no dia 16 de junho, vão acontecer no Velo Città. Será a primeira disputa de uma competição oficial da CBA na pista construída em Mogi Guaçu, no interior paulista, pelo piloto Eduardo Souza Ramos. O traçado tem 3.430 metros, maioria das curvas são de média velocidade, será a segunda pista inédita para os pilotos da categoria na temporada - a lusa Algarve foi a primeira -, quem já conhece o Velo Città testemunha que ocupa uma área muito bonita.

Essa etapa estava marcada, em princípio, para Jacarepaguá, mas havia, meses atrás, a previsão de que o autódromo seria disponibilizado a necessidades da tal "Rio + 20". Para evitar contratempos, o time da categoria analisou algumas opções e definiu-se por essa.

Legal, gostei da novidade. E será o 13º autódromo visitado por mim em 2012.

terça-feira, 29 de maio de 2012

Sprint Race no Bandsports

CASCAVEL - A primeira temporada da Sprint Race já começa com conquistas que para outros eventos do automobilismo demoram meses, às vezes anos, em alguns casos não acontecem.

Caso da transmissão das corridas pela tevê. O Thiago Marques, capitão da nau da Sprint Race, confirmou agora há pouco que as corridas de 2012 serão transmitidas pelo Bandsports. Serão VTs editados de 30 minutos, mostrando os principais momentos das duas baterias de cada etapa. A primeira, que aconteceu no dia 13 de maio, será exibida amanhã à noite, a partir das oito e meia. Haverá reapresentações na sexta-feira e no sábado, ainda não sabemos em que horários.

A foto lá em cima, feita pelo Bruno Vicaria, mostra o Guilherme Sperafico, que ganhou a primeira corrida. A outra foi vencida pelo Eduardo Leite. A próxima etapa vai acontecer no dia 10 de junho.

Ah. Quanto à transmissão da primeira etapa pelo Bandsports, a narração é minha.

Calendário zoneado

CASCAVEL - Foi pela mais absoluta falta de tempo, já que ainda acredito no enriquecimento como fruto do trabalho (tolo, eu), que o BLuc estava abandonado desde sábado à noite.

Não que hoje haja tempo, não há, mas um registro exige alguns minutos da minha conturbada agenda. Foi pelo Twitter que o José Santiago, piloto da Copa Marshal de Marcas & Pilotos, me alertou para o anúncio feito pela FASP, Federação de Automobilismo de São Paulo.

O calendário no site da FASP indica para o fim de semana de 8 e 9 de dezembro a realização, em Interlagos, da oitava etapa do Campeonato Paulista de Automobilismo. O calendário disponível no site está nesse link aqui. Para o caso da devida correção, que deverá - ou deveria - ocorrer dentro de instantes, eis o print que tirei da tabela de datas e eventos às 16h47 de hoje, é só clicar que amplia:

Pois bem. Ocorre que a data de 8 e 9 de dezembro está reservada ao Porsche GT3 Brasil e vai comportar, também, a "Corrida do Milhão" da Stock Car, conforme tratamos na semana passada. E assim será, não tenham dúvida.

A FASP já deu uma barrigada dessas no ano passado, marcando a última etapa do Paulista para o mesmo fim de semana do Itaipava GT Brasil, cantei essa pedra aqui no blog quatro meses antes. De fato, o Paulista não correu, houve as provas da GT, do Mercedes-Benz Grand Challenge e do TNT Superbike, como acordado entre promotores e Confederação Brasileira. A bem da verdade, nem lembro como terminou o campeonato do Marcas de São Paulo, que era Copa Engebras e neste ano passou a ser Copa Marshal.

Sugestão óbvia aos caciques da Copa Marshal e das demais categorias do paulista: que tratem de arrumar um lugar para correr em dezembro. Nos dias 15 e 16, não custa lembrar, Interlagos terá as etapas finais do Brasileiro de Gran turismo, do Mercedes-Benz Grand Challenge, da Spyder Race e do Elf Superbike. E, se possível, indiquem alguém à FASP para organizar o calendário. A coisa por lá parece complicada.

sábado, 26 de maio de 2012

Cigano do Brasil

CURITIBA - Eis que estamos no quarto do hotel, Kaká Ambrósio e eu, zapeando a televisão enquanto não termina o infame Zorra Total, procurando algo para ver até a hora do tal UFC. Que não sabemos onde vai ser, e nem a que hora começa, e nem onde é. E nem quem vai lutar com o Cigano.

Horas atrás, lá no aeroporto de Congonhas, brinquei com o Júlio Campos, que me perguntou se seria hoje a luta do Cigano. Brinquei com ele pelo Twitter, perguntando quem é Cigano e o que é luta. Não sabia, de fato, mas pressupus que sim, que seria hoje, já que no início do ano, janeiro ou fevereiro, vazou na mídia a história do currículo do adversário do Cigano postado na Wikipedia, já considerando a vitória sobre o Cigano na luta de maio. Foi disso que lembrei, que a luta aconteceria em maio, a chance de ser hoje era quase total.

Já em Curitiba, o cidadão que sentou-se a meu lado ligou pra alguém, imagino que sua esposa, e pediu para gravar o UFC, porque hoje o Cigano lutaria. Dúvida dirimida, enfim. E, mesmo não entendendo picas do UFC, sei quem é Cigano, claro, afinal há pouco tempo ele foi aclamado à condição de Júnior Cigano do Brasil, lembrei agora que é Júnior.

O Kaká parou na MTV, onde estão Herbert Vianna e seus blue caps, todos vestidos de vermelho da cabeça aos pés, cantando e tocando músicas da Legião Urbana. Haveremos de achar o UFC, quero ver a luta do Júnior Cigano, que não sei o que vale, nem sei se vale algo, parece-me que esses combates sempre valem título mundial.

Não vou arriscar juízo de valor sobre o MMA, que é a modalidade, já que UFC é o evento, isso foi repetido a tamanha exaustão que consegui aprender. Só o que não me entra na cabeça é a disposição que os praticantes têm de subir a um ringue, o tal octógono – que já definiram como quadrado de oito lados –, e tomar soco e pontapé na cara em nome do espetáculo. Isso machuca.

Artes marciais, eis uma coisa que me causa certo fascínio. Anos atrás acabei acompanhando por mais de uma hora uma sessão de treinamentos de uma equipe de kung-fu, não sei se leva esse hífen, a habilidade com movimentos e o lido com as armas próprias da modalidade me deixaram atônito, a exigência de treinamento e de disciplina é extrema. Judô é outra modalidade que aprecio, em que pese a implicação de um confronto para que seja consumado, mesmo quem toma um nocaute, no caso um ippon, sai do tatame sem lesões, reverenciando o contexto. Não há o culto ao sangue.

Aí, como trabalho como automobilismo, alguém haverá de me alertar que as corridas também machucam, até matam. A diferença, a mim, é muito evidente. Automobilistas não levam para seu cotidiano as particularidades das corridas. Normalmente, por saberem o que é a prática do automobilismo, evitam abusos em ruas e estradas e espaços públicos. Rachas e cavalos-de-pau na rua, coisa de gente retardada, não são praticados por pilotos de competição, salvo lamentáveis exceções. Por outra via, fã de corridas costuma ser mais insuportável que quem aprecia os combates.

Ao que percebo, praticantes de esportes que primam pelo espancamento do oponente são os que andam em locais abarrotados de gente com os braços em formato de asa de xícara, fazendo questão de esbarrar em todo mundo, sempre dispostos a mostrar quem é o melhor galo de briga do pedaço. Têm a estupidez e a arrogância estampadas no olhar. Praticam tudo que vai contra os princípios da boa convivência calçados no que entendem ser argumento, de que as virtudes do espancamento são advindas do esporte, e esporte é vida.

Meros devaneios sem importância.

Quando tenho tempo para conversar comigo mesmo, e me acho ótima companhia, costumo aplicar minhas sempre superficiais análises aos motivos do MMA. Estão muito além, ou muito aquém, da minha compreensão. Ao Luc Júnior, com seus cinco anos e meio, já reservo a consulta de institutos que ensinam o judô, ou o kung-fu, esse esporte tão bonito em que os grandes mestres não têm necessariamente de espancar ninguém. Boxe, MMA e afins não são coisa para ele.

De qualquer modo, vou torcer pelo tal Cigano. Apesar de ele ser o Cigano do Brasil.

Próxima parada, Curitiba

SÃO PAULO - Não houve tempo para nada. Nem para comer, posto que vim almoçar agora, depois das cinco da tarde, um supercombinado de rango japonês aqui em Congonhas, depois de feito o check-in. Agora, a companhia anunciou que o voo vai atrasar um pouquinho, o que não surpreende e nem aborrece mais.

Foi um fim de semana movimentado e meio, como dizem, na terceira etapa do Porsche GT3 Cup Challenge Brasil. O autódromo de Interlagos esteve apinhado de torcedores, hoje, todos acolhidos no paddock e na área de boxes, mais uma ação interessante do time da categoria. Narrei uma vitória de Clemente Lunardi e outra de Marcel Visconde na Cup, e mais uma do Daniel Schneider (foto) na Challenge, a primeira dele, e essa em especial me deixou feliz, sobretudo pelo papo rápido que tive com ele hoje. Foi uma daquelas coisas certas que acontecem na hora certa, foi essa a conclusão a que cheguei conversando comigo mesmo.

Enquanto aguardamos o embarque, e parece que ainda vamos aguardar mais um pouquinho, dou uma fuçada nos sites buscando saber um pouco do que aconteceu hoje em Curitiba, no Brasileiro de GT - já sabia antes da vitória do João Campos no Mercedes-Benz Grand Challenge. Vitória do Sérgio Jimenez e do Paulo Bonifácio com o Mercedão jeans na geral, à noite vou tratar de assistir à gravação das duas, do GT e do Mercedes-Benz Grand Challenge, ajuda bastante.

Amanhã espero a companhia de todos os amigos a partir das 11h, na Rede TV!. Primeiro a corrida do Grand Challenge, depois da GT, uma em seguida à outra. Vai ser, como observei dias atrás aqui no blog, um domingo perfeito para quem gosta de assistir a corridas de carros pela televisão.

Ou, pelo meu ponto de vista particular, que só interessa a mim mesmo: serão duas horas de Galvão Bueno, duas horas de Luc Monteiro, três ou quatro horas de Luciano do Valle e mais de quatro horas de Sérgio Lago. Haja pipoca e cervejinha.

Vencedores da PromoBLuc

SÃO PAULo - Ok, não custa registrar. Lancei dias atrás essa promoção aqui, valendo mimos para a segunda etapa do Brasileiro de Gran Turismo, no Autódromo Internacional de Curitiba.

Seguindo meu livre critério, conforme combinado, cinco participantes levam pares de ingressos e, ainda, credenciais para a visitação aos boxes que vai compor a programação de amanhã. São, por ordem alfabética, Cesar G. Novak, Daniela Cardoso, Gustavo André Santos, Israel Muffato Favarin, e Natanael Francisco Andrade.

Outros participantes foram contemplados com pares de ingressos para o evento. Igualmente por ordem alfabética: Allan David do Prado, Aloysio Ludwig Neto, Antonio Contreras Muniz, Carlos Montalvão, Cíntia Azevedo, Danilo Andrade Cardoso, Douglas Vieira, João Paulo Gulka Silveira, Larissa Siviero, Rodrigo Vicente, Sérgio Rodrigues, Tarso Marques Lima e Vanderléia Pick Novak.

Todos foram devidamente comunicados por e-mail sobre como e quanto retirar seus prêmios. Aos que não consultam e-mails, confirmo aqui: hoje (caramba, já é sábado!), a partir das oito da manhã, na bilheteria do autódromo, anexa ao portão de entrada. Falsidade ideológica só vai funcionar se for muito bem arquitetada: a retirada dos ingressos e credenciais estará condicionada à apresentação do RG e há uma lista com os nomes dos contemplados com a rapaziada que trata disso lá aos portões do AIC.

As duas primeiras corridas acontecem hoje, as quatro demais serão amanhã. A programação completa do evento está aqui.

sexta-feira, 25 de maio de 2012

A Michelle no GE

SÃO PAULO - O "Globo Esporte" de hoje levou ao ar uma matéria ambientada no Mercedes-Benz Grand Challenge, tendo a Michelle de Jesus como personagem. Está no início do primeiro bloco, que pode ser acessado nesse link aqui.

Ao fim da matéria - que imagino ter sido viabilizada pelo Cláudio Stringari, mestre-cuca por ofício e assessor de imprensa da Michelle nas horas vagas -, vazam uns dois segundos da narração que dei à corrida do mês passado em Santa Cruz do Sul.

Com a licença de vocês, vou abrir meu currículo aqui no Notebook e incluir "dois segundos de narração na Rede Globo do Paraná". Vai que não acontece de novo.

GT no pé














SÃO PAULO - Começou hoje em Pinhais, ou no Autódromo Internacional de Curitiba, a movimentação de pista da segunda etapa do Campeonato Brasileiro de Gran Turismo e de suas categorias de suporte. O evento contempla uma novidade que renderia dezenas de trocadilhos com pés, mas, fraco que sou, não me ocorreu nenhum pra aplicar aqui.

A etapa de Curitiba contempla o lançamento da linha oficial de calçados femininos que a Strada Shoe criou especialmente para o evento automobilístico, sob a marca Ballasox Racing by SRO Motorsports. O material de divulgação refere-se às sapatilhas e aos chinelos como produtos baseados na gama de cores e na identidade visual do GT e do Mercedes-Benz Grand Challenge.

“Todas vêm dobradas dentro de uma pequena bolsa-acessório do mesmo material e cor do forro do calçado, cuja tecnologia é exclusiva e patenteada para a linha Ballasox. O detalhe ‘Racing’, como não poderia deixar de ser, fica por conta da estampa xadrez preto e branco, remetendo à bandeira de chegada”, diz o press-release que o Cadu Tupy – ou o Lipe Paíga, não sei – escreveu.

Os produtos estarão disponibilizados ao público em lojas nos autódromos que recebem as corridas e também nas lojas indicadas no site da marca.

Vou montar um Truck














SÃO PAULO - Talvez fosse assunto mais adequado para o blog sobre miniaturas do Paulo Tohmé, que incorpora a ideia a ponto de ser, ele próprio, um ser humano em miniatura.

De qualquer forma, vai aqui a dica. A Alpinestars, parceira do Nelsinho Piquet, disponibilizou em seu site um modelo do carro do piloto na Camping World Truck Series, pronto para ser impresso e montado. Está nesse link aqui.

A instrução da fabricante de macacões e demais equipamento para competição é de que a impressão do arquivo seja feita em cartolina medindo 28 x 45 centímetros – quando mais resistente o papel, claro, será mais fácil montar.

Vou montar um desse pro Luc Júnior. E outro pra mim. Talvez a Juli queira um, também. É, vou ter muito trabalho pela frente.

Pole de Lunardi, capotagem de Ribas

SÃO PAULO - Foi de 13 milésimos de segundo a diferença entre Clemente Lunardi (foto) e Ricardo Baptista, líder e vice-líder do Porsche GT3 Cup, na fase final do treino classificatório que definiu, agora há pouco, o grid da terceira etapa.

As três primeiras posições da tabela de pontos estão reproduzidas no grid, que tem o Fábio Viscardi em terceiro. O Top Ten, que confrontou os dez mais rápidos na disputa pela pole-position, foi marcado pelo acidente do paranaense Sérgio Ribas, já depois da bandeira quadriculada. Depois de uma batida na proteção de pneus na curva do Lago, seu carro capotou, percorreu alguns metros só com os pneus direitos no asfalto e parou. O piloto, que havia sido o mais rápido da primeira fase do treino classificatório, escapou ileso e larga em sexto amanhã.

As corridas de amanhã vão começar às 11h e serão transmitidas ao vivo no site da categoria. Como categoria de primeiro nível que somos, temos o live timing de todos os treinos e corridas, nesse link aqui. Antes, a partir das 9h30, haverá a tomada de tempos definindo o grid da categoria Challenge. Em promoção especial da organização, todos os torcedores terão acesso ao paddock, e os primeiros 2.000 espectadores que se apresentarem no portão 7 do autódromo vão ganhar um boné.

O grid da Cup para a primeira corrida do dia é o seguinte:

Top Ten
1º) Clemente Lunardi, 1min43s312
2º) Ricardo Baptista, 1min43s325
3º) Fabio Viscardi, 1min43s768
4º) Daniel Paludo, 1min44s032
5º) Tom Valle, 1min44s064
6º) Sérgio Ribas, 1min44s115
7º) Pedro Queirolo, 1min44s187
8º) Roberto Posses, 1min44s189
9º) Marcel Visconde, 1min44s308
10º) Maurizio Billi, 1min44s662
Treino classificatório
11º) Otávio Mesquita, 1min44s547
12º) Guilherme Figueirôa, 1min44s692
13º) Zeca Feffer, 1min45s104
14º) Adalberto Baptista, 1min45s62
15º) Eduardo S. Ramos, 1min45s543
16º) Marcos Barros, 1min46s523
17º) Esio Vichiese, 1min47s003
18º) Charles Reed, 1min47s415
19º) Henry Visconde, 1min47s905
20º) Omilton Visconde Júnior, sem tempo

Porsche Cup e Stock Car juntas

SÃO PAULO - Novidade interessante que surge nos bastidores do Porsche GT3 Cup. Na última etapa da temporada, marcada para dias 8 e 9 de dezembro aqui mesmo em Interlagos, a programação do evento vai acolher também as disputas finais da Stock Car. Isso mesmo, as duas categorias no mesmo fim de semana.

O campeonato da Stock Car, em princípio, seria finalizado em novembro. Ocorre que a Corrida do Milhão, inicialmente marcada para 5 de agosto, teve de ser transferida – talvez por conta da concorrência que a categoria enfrentaria por se tratar de época dos Jogos Olímpicos em Londres.

Fato é que a necessidade da mudança de data da corrida em que a Stock Car vai premiar o vencedor com um milhão de reais, somada à óbvia conveniência de se garantir que a corrida acontecesse em Interlagos, levou a Vicar, promotora da categoria, à conversa com Dener Pires, o capitão do Porsche GT3 Brasil, a quem pertence a reserva de data de Interlagos no segundo fim de semana de dezembro, por contrato com a SP Turis – autarquia municipal que administra o autódromo.

Ao acolher a Stock Car em seu evento, o Porsche GT3 Cup também promove mudanças em relação à sua programação habitual. Exceção à etapa preliminar do GP do Brasil de Fórmula 1, a categoria tem todas as suas corridas desenvolvidas aos sábados. Na etapa final, a que terá a companhia da Stock Car, haverá corridas de Porsche tanto no sábado quanto no domingo.

Teremos um evento memorável, sem dúvida.

A volta ao SporTV

SÃO PAULO - Surge a primeira das novidades do fim de semana no Porsche GT3 Brasil aqui em Interlagos. A categoria acaba de confirmar a parceria com o SporTV para exibição das corridas das categorias Cup e Challenge. Para tal, o evento passa a contar com geração de imagens em Full HD.

O Porsche Cup está longe de ser uma novidade para o público do SporTV – a casa transmitiu as corridas da categoria em suas quatro primeiras temporadas, de 2005 a 2008 - e em 2010, conforme lembra o Rodrigo Mattar, também houve exibições das provas pelo SporTV. Naquele ano já havia as transmissões ao vivo pelo Speed Channel.

quinta-feira, 24 de maio de 2012

Voltas rápidas de Porsche. Quem levou?

SÃO PAULO - O Porsche GT3 Brasil tocou um concurso cultural para dar a quatro fãs do automobilismo um prêmio bem cobiçado no meio: uma volta rápida em Interlagos num Porsche de corrida, ao lado de um piloto profissional. Os quatro vão levar, também, um kit com capacete, balaclava e bonés, já tinha falado da brincadeira dias atrás.

Não participei da seleção das melhores frases, mas li várias delas, e foram centenas de respostas recebidas pela Mobil 1 e pelo Porsche GT3 Brasil. As quatro frases contempladas com as voltas rápidas foram as seguintes:

“Aumentaria o giro dos meus batimentos cardíacos, largaria despejando potência nas minhas pernas e manobraria minhas mãos, chegando em primeiro nas chaves do Porsche, sem deixar ponto de ultrapassagem para o segundo colocado.” (Deborah Moura)

“Eu tomaria um copo de Mobil, pois já tenho gasolina na veia, aí meu coração apaixonado por velocidade, passaria a funcionar em dois tempos”. (Jeffrey Marcos da Silva)

“Eu mudaria de time para agradar o noivo e aprenderia a cozinhar para agradar a sogra” (Joana Caldeira)

“Ferdinand e Ferry! Eu sei que vocês estão me ouvindo! Deixa eu andar nessa sua invenção maravilhosa!” (Marcello Ribeiro)

ATUALIZANDO EM 25 DE MAIO, À 1h50:
Clicando na imagem aí abaixo, além da confirmação dos quatro vencedores já citados, vão aparecer também os 26 que levam mimos especiais da promoção.

Causo em quatro rodas


SÃO PAULO - O Daniel Procópio, futuro prefeito de Londrina, mandou por e-mail o causo contado pelo colono num texto formado por nomes de carros. Divertido, até. Segue uma lógica um tanto parecida com a da paródia da música do Michel Teló.

Duas rodas na Record News

SÃO PAULO - O Moto 1000 GP confirmou hoje via assessoria de imprensa - e, sem jogos bobos de cena, faço parte da equipe presta o serviço ao evento - que as corridas da temporada de 2012 seguirão com transmissão ao vivo pela Record News e pela Record Internacional.

A transmissão de todas as corridas das categorias GP 1000 e GP Light está garantida, também, na internet, no site do evento e também em sites ligados à motovelocidade.

A narração das corridas segue a cargo do irreverente Edgard Mello Filho, sempre garantia de espetáculo à parte nas transmissões.

Porsche GT3 Cup com chicane

SÃO PAULO – Eis que acabamos de terminar o primeiro dia de atividades do Porsche GT3 Cup Challenge Brasil na terceira etapa, aqui em Interlagos. Ricardo Baptista foi o mais rápido do dia na classe Cup, Ipe Ferraiolo, na Challenge.

A novidade do dia por aqui ficou por conta da adoção da chicane na Curva do Café - a foto aí acima, feita pelo portuga Jorge Sá, mostra o Marcel Visconde, com novo layout, contornando a entrada do novo trecho. Parece-me que o uso da chicane foi uma convenção, ou qualquer coisa perto disso, que nasceu de encontro recente entre os promotores das principais categorias nacionais de automobilismo. Pode ser precipitado afirmar que todas vão, de fato, incluir a chicane no traçado de suas corridas.

Com a mudança, inédita no Porsche GT3 Brasil, o traçado de Interlagos passa de 4.309 para 4.314 metros. Na categoria Cup, a volta mais rápida do dia, cravada pelo Ricardinho no último treino do dia, veio em 1min43s490, com média horária de 150,066 quilômetros. A título de comparação, o recorde da pista convencional é de Ricardo Rosset, 1min38s158, com média de 157,458 km/h.

A volta mais rápida da quinta-feira na Challenge, do Ipe, foi cronometrada em 1min45s234, média de 147,579 km/h. O recorde é do ano passado: Fernando Barci, 1min41s279, a 153,165 km/h.

Por parte do público da categoria, a expectativa maior do dia fica por conta do resultado da promoção que vai trazer quatro torcedores a Interlagos para voltas rápidas nos carros de corrida, ao lado de pilotos profissionais. A promoção, que teve formato de concurso cultural, vai contemplar 30 torcedores. Os quatro autores das frases mais criativas vão ganhar kits com capacetes, balaclavas, luvas e bonés da categoria. Os outros 26 receberão bonés e ingressos para as corridas de sábado.

Como colher-de-chá, vão aí os melhores tempos de cada piloto em todos os treinos de hoje.

Cup – primeiro treino livre
1º) Clemente Lunardi, 1min44s472
2º) Tom Valle, 1min44s572
3º) Daniel Paludo, 1min44s645
4º) Maurizio Billi, 1min44s748
5º) Ricardo Baptista, 1min44s800
6º) Marcel Visconde, 1min44s909
7º) Fabio Viscardi, 1min45s020
8º) Zeca Feffer, 1min45s825
9º) Marcos Barros, 1min46s083
10º) Guilherme Figueirôa, 1min46s105
11º) Adalberto Baptista, 1min46s191
12º) Omilton Visconde, 1min46s240
13º) Henry Visconde, 1min47s772
14º) Sérgio Ribas, 1min47s997
15º) Esio Vichiese, 1min48s199
16º) Eduardo Souza Ramos, 1min58s505
Média do 1º: 148,656 km/h

Cup – segundo treino livre
1º) Ricardo Baptista, 1min43s490
2º) Maurizio Billi, 1min44s123
3º) Marcel Visconde, 1min44s249
4º) Daniel Paludo, 1min44s435
5º) Clemente Lunardi, 1min44s597
6º) Tom Valle, 1min44s822
7º) Fabio Viscardi, 1min44s970
8º) Zeca Feffer, 1min45s643
9º) Marcos Barros, 1min45s801
10º) Sérgio Ribas, 1min45s815
11º) Adalberto Baptista, 1min45s895
12º) Guilherme Figueirôa, 1min45s978
13º) Omilton Visconde, 1min46s452
14º) Eduardo S. Ramos, 1min47s537
15º) Esio Vichiese, 1min47s578
16º) Henry Visconde, 1min48s406
Média do 1º: 150,066 km/h

Challenge – primeiro treino livre
1º) Rodolfo Ometto, 1min45s869
2º) Tommy Soubihe, 1min45s974
3º) Gui Affonso, 1min46s241
4º) Sylvio de Barros, 1min46s585
5º) Alan Turres, 1min46s722
6º) Carlos Ambrósio, 1min46s783
7º) Johnny Freire, 1min46s954
8º) Daniel Schneider, 1min47s032
9º) Ludovico Pezzangora, 1min47s209
10º) Carlos Silveira, 1min47s646
11º) Ipe Ferraiolo, 1min47s673
12º) Edu Guedes, 1min48s317
13º) Jorge Borelli, 1min48s620
14º) Marcelo Stallone, 1min48s990
15º) Amilcar Collares, 1min49s290
16º) Renato Benedetto, 1min51s210
17º) Giaffone, 1min52s184
18º) Armando di Nardo 2min01s011
Médio do 1º: 146,694 km/h

Challenge – segundo treino livre
1º) Ipe Ferraiolo, 1min45s234
2º) Daniel Schneider, 1min45s881
3º) Tommy Soubihe, 1min46s246
4º) Johnny Freire, 1min46s310
5º) Alan Turres, 1min46s376
6º) Rodolfo Ometto, 1min46s443
7º) Franco Giaffone, 1min47s253
8º) Marcelo Stallone, 1min47s303
9º) Carlos Ambrósio, 1min47s421
10º) Ludovico Pezzangora, 1min47s913
11º) Carlos Silveira, 1min48s102
12º) Gui Affonso, 1min48s141
13º) Amilcar Collares, 1min48s579
14º) Jorge Borelli, 1min48s639
15º) Fábio Alves, 1min49s842
16º) Renato Benedetto, 1min49s982
17º) Armando di Nardo, 2min01s678
Média do 1º: 147,579 km/h

quarta-feira, 23 de maio de 2012

Pintando o sete

GUARULHOS - Está circulando na internet. Alpino, parece, é o nome do chargista. Retrato genial e fiel desse imenso rincão. Somos uns bananas.

Quarentinhas

GUARULHOS - Ao desembarque, já ciente do longo tempo de espera que terei antes da próxima etapa de minha via crucis particular, ligo o aparelho celular e as mensagens de texto começam a pipocar. Numa delas, a intimação: “Não vai flar (sic) dos 40 anos do Rubinho no blog?”.

Ora, que teria eu a falar a respeito? Dei-lhe os parabéns, como manda o figurino, ele respondeu e é isso, não é? Não convivo com Rubens para saber o que isso possa representar em sua vida, talvez tenha tanta importância quanto quando fez 17, 26 ou 34 anos. Só se faz 40 uma vez na vida, como também só se faz 8, 15 ou 23 uma vez na vida. Números, nada mais.

Nunca o tratei como “Rubinho”, apelido que não sei se lhe foi dado pelos pares da infância ou pela mídia, acho que pega mal. Evitava “Rubinho” nos textos e títulos na época de jornal, embora às vezes tivesse de aderir porque “Barrichello” pudesse ser muito comprido para determinado título, ou porque a legenda de uma foto estourava no tamanho. Não gostaria que me tratassem por “Lucianinho” ou “Luquinho”, mando à merda quem o fizer.

Mantenho com Rubens um contato à distância – vivo em Cascavel, motivo pelo qual tudo que faço ou deixo de fazer é à distância –, o que me franqueou alguns inesperados minutos de atenção ano passado durante a etapa brasileira da Indy, lá nas garagens, sei que aquele papo me fez aparecer na tevê e numa foto que um site publicou, e não a copiei, e também quase estraguei uma corrida de kart que ele promoveu, havia dezenas de jornalistas braços-duros precisando de instrução e lá estava o Rubens conferindo com os médicos se haveria necessidade de mandar minha carcaça para algum mecânico substituir uma perna que imaginávamos fraturada, e no fim não era nada.

De seus 40 anos, o que posso dizer é que Rubens é um tratante. Combinamos há um ano, afinal, que a festa seria sob o repertório de Luc & Juli, já que ele gosta das músicas sertanejas que compõem o nosso repertório, mas além da dupla ter praticamente acabado ele, Rubens, inventou de correr de Fórmula Indy e está em Indiana, e a Juli ainda não foi atrás do visto e as passagens para lá estão custando o olho da cara.

Imagino que Rubens Barrichello, a essa altura, esteja rindo, brincando, fazendo traquinagens – é um sujeito divertido, ele, embora nem sempre faça questão de deixar isso evidente – e vivendo uma expectativa nova mesmo para quem tem mais de 30 anos de convívio com as pistas de corrida, a da primeira largada para as 500 Milhas de Indianápolis.

O lance de tocar na festa seria bom, cairia como presente de aniversário e me permitiria economizar os cobres que despenderia em uma lembrancinha qualquer. Como está longe, ficou sem as modas e sem o souvenir. Dou a Rubens, como presente de aniversário, um conselho, talvez palpite seja o termo correto: vá com o tanque transbordando para a última parte da corrida.

E, cá de longe, um abraço ao Rubens. Que ri e chora como todo mundo, que talvez não tenha seu valor tão reconhecido quanto merece. E que aprendeu a dar de ombros para o mundo e cuidar de sua vida, habilidade das mais tenho admirado em algumas pessoas. Poucas, é verdade.

Jornada dupla

CASCAVEL - Fim de semana de jornada dupla nas coberturas automobilísticas. De amanhã a sábado, acompanho em Interlagos as corridas da terceira etapa do Porsche GT3 Cup Challenge Brasil. Narro as três provas tendo o André Duek como comentarista - na foto aí, que não é inédita, nós dois em flagrante ação na primeira etapa de 2012, lá no Estoril. As corridas terão transmissão ao vivo no site da categoria, que apresenta também a programação completa do fim de semana.

Sábado, assim que terminar a última corrida da programação, tomo o caminho de Congonhas e sigo a Curitiba, onde no domingo narro para a Rede TV!, ao vivo a partir das 11h, as provas do Mercedes-Benz Grand Challenge e do Brasileiro de GT. Na primeira, Mário Laffitte será o comentarista; na segunda, o piloto Lico Kaesemodel. As duas categorias também terão corridas no sábado, os horários estão aqui, e serão transmitidas no site PortalGT, com narração do Kaká Ambrósio.

Sem esquecer que tem promoção aqui no blog que distribui ingressos e credenciais de visitação de box para o evento em Curitiba, está nesse post aqui.

Aliás, embarco para os recordes de congestionamentos de São Paulo daqui a pouco e ainda tenho um catatau de coisas pra fazer aqui na agência antes disso. Motivo pelo qual o blog vai ficar ainda mais abandonado, pelo menos até amanhã cedo. Você, que sempre vem aqui atrás de algo para ler, procure um livro. Faz bem.

terça-feira, 22 de maio de 2012

Vitória brasileira

CASCAVEL - Lembram do Adriano Medeiros, o brasileiro que iria estrear na Euro Series, a "Nascar europeia", no último fim de semana em Brands Hatch. Pois é. Venceu.

Iria, não. Ele estreou. Largando em nono depois de encarar um treino classificatório com pista molhada em seu primeiro contato com o carro da equipe Autosport 42, ele terminou a primeira corrida em 11º, sexto entre os pilotos da categoria Sprint, cravando a volta mais rápida da prova.

Na corrida principal, a chamada Endurance Race, em que teve a francesa Carole Perrin como parceira, Adriano recebeu o carro em oitavo, voltou à pista em segundo depois de um pit stop bastante eficiente e tomou a liderança de Vicent Gonneau e chegou a abrir 12 segundos de vantagem. Venceu 8h274 à frente do francês.

Adriano ainda corre atrás de patrocínio para seguir na categoria. A próxima etapa, dias 9 e 10 de junho, será na mítica pista belga de Spa-Francorchamps.

PQ13 de Porsche

CASCAVEL - Eu teria anunciado ontem, mas faltava um pelinho para a confirmação. E quando veio a tal confirmação, eu estava interneticamente fora de combate, tratando de coisas que todo mundo deveria tratar ao menos três vezes por semana.

Enfim, a terceira etapa do Porsche GT3 Brasil, sábado em Interlagos, vai ter o Pedro Queirolo entre os pilotos estreantes. O Pedro, que correu no Brasileiro de GT até ano passado, também participa da Top Series, com um Corvette Z06R, e do Audi DTCC - nesta, inclusive, comemorou no último sábado a primeira vitória, lá em Tarumã.

A etapa de Interlagos, terceira de 2012 e primeira no Brasil, vai ter carros na pista já na quinta-feira, para treinos livres. As duas corridas da categoria Cup, as que terão o carro número 13 do Pedro no grid, estão marcadas para as 11h20 e as 14h55. A da Challenge vai começar às 13h35. A classificação dos dois campeonatos está aqui.

ATUALIZANDO EM 22 DE MAIO, ÀS 11h51:
Além do Pedro, outros dois pilotos estreiam no Porsche GT3 Brasil na etapa de Interlagos, ambos pela categoria Challenge: o Franco Giaffone, com o carro número 19, e o Fábio Alves, com o 63. E pode pintar mais algum nome na lista, aí...

segunda-feira, 21 de maio de 2012

O grid de Curitiba

CASCAVEL - A SRO Latin America mandou agora há pouco aos integrantes de seu staff, por e-mail, o mapa de instalação das equipes nos boxes do autódromo de Curitiba para a segunda etapa do Campeonato Brasileiro de Gran Turismo, neste fim de semana. Como ninguém falou que era para divulgar ou para manter ao consumo interno, compartilho a lista com a audiência do blog. São 23 os carros confirmados, ninguém duvida que mais um ou outro possa confirmar inscrição entre hoje e amanhã.

Dos 20 carros que foram desembarcados nos boxes de Santa Cruz do Sul para a abertura do campeonato no mês passado, o único que não está na relação é o Lamborghini do Bruno Garfinkel e do Rafael Daniel, que ficou sem qualquer condição depois do acidente nos treinos de um mês atrás.

Por outro lado, voltam ao grid o Ginetta G50 do Marçal Melo, agora tendo o Joãozinho Gonçalves como parceiro – eles dois, em dupla, lideram outro campeonato, o Audi DTCC –, o Corvette Z06 de Fernando Croce e seu filho Daniel Croce, o Mercedes-Benz AMG SLS "jeans" do Boni e do Serginho Jimenez e a Ferrari Challenge da M2, equipe do José David, que terá ao volante o William Freire e o Eduardo Oliveira.

Há mais mudanças em relação ao grid de Santa Cruz do Sul. O paranaense Duda Bana, nome da Copa Spyder Race, passa a ser o parceiro de Fernando Poeta no Lamborghini da Mottin. Walter Derani, que correu ao lado de Poeta em Santa Cruz do Sul, traz de volta à pista sua Ferrari F430 – o nome do novo parceiro ainda não foi anunciado. Henrique Assunção e Ronaldo Kastropil, que em abril pilotaram um Lamborghini na classe GT3, vão agora com um Dodge Viper, na GT Premium. O outro modelo Viper da equipe Ebrahim Motors, que teve Ramon Mathias e Renato Cattalini ao volante, também tem uma nova dupla, formada por Paulo Varassin e seu filho Lorenzo.

GT3
0 – Cacá Bueno/Cláudio Dahruj (BMW Z4), BMW Team Brasil
1 – Valdeno Brito/Constantino Júnior (BMW Z4), BMW Team Brasil
3 – Rafael Derani/Cláudio Ricci (Ferrari F458), CRT
16 – Marcelo Hahn/Allam Khodair (Lamborghini LP 600+), Alfa-Bläu
18 – Fernando Poeta/Duda Bana (Lamborghini LP560), Mottin
20 – Wagner Ebrahim/Fábio Ebrahim (Audi R8 LMS), Alfa-Bläu
22 – Paulo Bonifácio/Sérgio Jimenez (Mercedes-Benz AMG SLS), AMG-Mattheis
30 – Cléber Faria/Duda Rosa (Mercedes-Benz AMG SLS), BVA Racing Team
61 – Fernando Croce/Daniel Croce (Corvette Z06R), GForce
105 – Vanuê Faria/Renan Guerra (Mercedes-Benz AMG SLS), BVA Racing Team

GT4
6 – Válter Pinheiro/Leonardo Burti (Lotus Evora), Dragão Lotus
8 – Eduardo Oliveira/William Freire (Ferrari Challenge), M2 Competições
11 – Matheus Stumpf/Patrick Gonçalves (BMW M3), BMW Team Brasil
12 – Léo Cordeiro/William Starostik (BMW M3), BMW Team Brasil
21 – Fábio Greco/Válter Rossete (Maserati Gran Turismo MC), Greco-Vivo
57 – Sérgio Laganá/Alan Hellmeister (Aston Martin Vantage), M2 Competições
82 – Marçal Melo/João Gonçalves (Ginetta G50), CRT

GT Premium
10 – Cristiano de Almeida/Pierre Ventura (Lamborghini LP520), Auto Racing
15 – Felipe Tozzo/Raijan Mascarello (Ferrari F430), Mottin
17 – Lorenzo Varassin/Paulo Varassin (Dodge Viper), Ebrahim Motors
46 – Andersom Toso/Carlos Kray (Lamborghini LP520), CKR Racing
70 – Walter Derani/a definir (Ferrari F430), CRT
75 – Henrique Assunção/Ronaldo Kastropil (Dodge Viper), Scuderia 111

ASSISTA ÀS ETAPAS DO BRASILEIRO DE GT NA ÍNTEGRA:

Primeira etapa: 21 de abril, Santa Cruz do Sul (RS)

Segunda etapa: 22 de abril, Santa Cruz do Sul (RS)

Eu na tela

CASCAVEL - Depois de ler no post sobre a volta do "Curva do Esse" o que definiu como "corneta", o Marcos Moschetta foi vasculhar os arquivos dele e encontrou o episódio do programa em que acabou veiculando uma entrevista que fez comigo no Velopark, na sequência que apresentava aos públicos do programa.

Aí está o vídeo, que apresenta também o material produzido com o locutor de arrancadas Pepe - que já prepara o filho Lucas para seguir o ofício.


Pecado imperdoável, esqueci de citar na lista de categorias que atendo a Copa Marshal de Marcas & Pilotos - era Copa Engebras em 2011. E o pitaco que dei ao fim do material sobre o autódromo de Cascavel, vê-se, foi certeiro. Eu nunca me engano, só me enganei uma vez, tempos atrás, quando pensei estar enganado sobre algo.

E acerca disso, do autódromo, alguém haverá de me explicar de onde tirei, em setembro ou outubro, que a reforma estava em andamento. Não estava, começou há três meses.

É, me enganei.

Escola de pilotos


CASCAVEL - Taí a reportagem feita pela Bruna Frazão para o programa "Auto Mais", do Marcello Sant'Anna, mostrando um pouco do ambiente das escolas de pilotagem. A Bruna inscreveu-se no curso do Beto Manzini.

"Curva do Esse" de volta

CASCAVEL - Uma boa notícia para os que ficaram televisivamente órfãos do Speed Channel no Brasil. O “Curva do Esse”, um dos maiores ibopes do canal enquanto existiu no país, está de volta, obviamente em nova casa.

Roberto Figueroa, Marcos Moschetta e seus blue caps estão de volta com o “Curva do Esse” no Esporte Interativo. O canal está disponível na tevê aberta e para os assinantes de várias operadoras, a lista completinha está nos parágrafos aí de baixo. A primeira edição da nova fase do programa vai ao ar quinta-feira, dia 24, às 12h30. Haverá reapresentação no domingo, às 9h30. Serão sempre duas exibições semanais.

O Esporte Interativo está disponível em VHF para as cidades de São José dos Campos (canal 9) e Santa Inez (10). Em UHF, pode ser sintonizado em São Paulo (canal 36), Campinas (26), Santos (59) e Mogi das Cruzes (58). Saindo do território paulista, o canal pode ser sintonizado em UHF nas capitais Vitória, Manaus (ambas no canal 20), Curitiba (14), Porto Velho (25), Macapá (19) e Belém (17), além da tocantinense Araguaína (26) e da goiana Rio Verde (3).

Quem recebe o sinal de televisão via antena parabólica também acessa o Esporte Interativo, disponível ainda nas operadoras de tevê por assinatura OI TV (canal 515), Claro TV (48) e Cabo Telecom (47, no analógico, ou e 200, no digital). Se não houver um televisor por perto, o canal está disponível também via internet, com aplicativos para execução em telefones celulares.

Dei uma entrevista ao Moschetta ano passado, para o “Curva do Esse”. Vários amigos comentaram, nunca a vi. Será que tem o vídeo na internet?

domingo, 20 de maio de 2012

Matheus, do primeiro ao quinto

PORTO ALEGRE - A ideia do blog não é reportar o factual das corridas, mas como o Alencar Bossoni deu-se o trabalho de me mandar todas as informações, lá vai. E, ao contrário do que o título do post pode levar a crer, não se trata de nada associado do jogo do bicho.

Matheus Stumpf, piloto aqui do Rio Grande do Sul, conquistou hoje mais um quinto lugar no IberGT, na etapa disputada na pista madrilenha de Jarama. Quinto no “Español de GT” e segundo na classificação do IberGT, para ser mais preciso. A vitória foi do português César Campaniço e do finlandês Mikko Eskelinen, com o Audi R8 da Novadrive, o carro da foto aí acima.

Largando em nono – era décimo no grid, mas uma das equipes que estava à sua frente foi punida –, o bicampeão brasileiro de GT levou cinco voltas para assumir a liderança. Foi na liderança, depois de suportar a forte pressão dos carros Audi da Novadrive, que Matheus entregou o Ford GT da equipe Rodrive, o da foto lá abaixo, ao português David Saraiva, que manteve-se à frente até o fim da primeira hora de corrida, que teve duração de duas horas e dez minutos.

O também luso Rui Lapa, que cumpriu o último turno de pilotagem pela equipe do brasileiro, recebeu o carro em quarto e chegou a subir uma posição. Contudo, acabou perdendo uma das rodas traseiras – a porca que a prendia se rompeu – e, mesmo tendo percorrido uma volta inteira em três rodas até chegar aos boxes, cruzou a linha de chegada em quinto. A vitória foi de César Campaniço e , com um dos Audi R8 da Novadrive.

“Consegui me livrar de um acidente logo na largada e saí da terceira curva atrás do Campaniço e de um Porsche. Em duas voltas, passei o Porsche e fui atrás do R8. Assumi a liderança, entreguei o carro em primeiro. Fiquei 28 voltas na liderança, fiz meu trabalho”. “O Matheus esteve brilhante, sempre muito rápido e com um turno espetacular”, reverenciou o português Lapa, que viabilizou a participação do gaúcho na competição europeia. “Se não fosse o problema na roda, penso que teríamos decidido a corrida com o César”, arriscou.

No próximo fim de semana Matheus vai disputar, pela categoria GT4, as provas da segunda etapa do Campeonato Brasileiro de GT, em Curitiba. Seu parceiro na pilotagem de um BMW M3 é o baiano Patrick Gonçalves.

Só pra ver como seria

PORTO ALEGRE - Então que, em dado momento da história, o mestre Sid Mosca viu-se obrigado a pintar um capacete pra Ayrton Senna, então um entre vários jovens kartistas que buscavam fazer carreira, com as cores da bandeira do Brasil, era item obrigatório pelo regulamento de um Mundial de Kart.

Sid pensou em duas faixas paralelas, uma com cada cor da bandeira, aplicadas sobre um fundo que contemplasse a outra cor. E executou a pintura que Ayrton usou até morrer.

Num trabalho artístico de fazer inveja a mestres como o Bruno Mantovani, na tentativa de preencher os instantes de insônia da madrugada, fiz algumas simulações partindo da ideia do Sid.













Vê-se que eu teria dificuldades para pagar as contas se vivesse de criar layouts ou de executar trabalhos artísticos no computador.

Um pouquinho da DTCC

PORTO ALEGRE - Um sábado de corridas bem divertidas, para quem correu e para quem viu, esse da terceira etapa do Audi DTCC no autódromo de Tarumã. Teria escrito algumas linhas a respeito ontem à noite, mas desci para o jantar no restaurante do hotel e, quando voltei, apaguei antes mesmo do “Supercine”. Às vezes o sono bate pesado, contra o sono não há argumentos. Acordei agora, antes do sol, e o sono também foi embora, são coisas que nunca entendo direito.

A primeira corrida do dia, vencida pelo Willians Farias, foi uma das mais interessantes a que assisti nos últimos tempos em qualquer categoria nacional. De verdade. Poderia ter aplicado várias vezes uma brincadeira que costumo fazer durante a narração das corridas, de que os carros, se armazenados para transporte do modo como estão na pista, cabem todos dentro de um ônibus. Andou todo mundo muito próximo, mesmo.

O Farias ganhou depois de conseguiu um refresco, bem pequeno, na segunda metade da corrida. Atrás dele, um trenzinho que trouxe Alexis Pilau, Felipe Gama, Elias Júnior, Pedro Queirolo e João Gonçalves, que assim, nessa ordem, fecharam as seis primeiras colocações – eram 14 os carros na pista. Havia um outro trenzinho, do décimo ao 13º, que trazia, depois das 21 voltas, Wagner Amorim, Rennan Reis, Alline Cipriani e Fábio Viana. Gostei da atuação do Rennan, segunda participação no automobilismo, mostrou boa postura na pista. Os resultados do rapaz virão, se ele tiver sobrevivido à festa de casamento, ou de aniversário, não lembro, da qual participaria agora à noite em São Paulo.

Com a inversão das seis primeiras posições a partir de um resultado para a formação do próximo grid dentro de uma rodada dupla, foi o Marçal Melo, parceiro do João Gonçalves, quem largou da pole na corrida final. Queirolo, largando em segundo, tomou-lhe a ponta já na largada e liderou até o fim para comemorar a primeira vitória dele na categoria. Melo, Pilau, Sérgio Alves – parceiro de Elias Jr. e Ricardo Landi apareceram na foto do pódio. Como Alves foi punido depois por um toque em Gama na primeira volta, Landi subiu para quarto no resultado da prova e o Caíto Vianna, que corre em dupla com o Daniel Daroz, herdou a quinta posição.

O Audi DTCC sai de Tarumã com uma classificação de campeonato bem interessante. Marçal e Joãozinho lideram com 81 pontos, só um a mais que o Elias e o Sérgio. Willians e seu parceiro Adolfo Rossi, em terceiro, têm 79 e o Pedro, com a primeira vitória, foi a 75. Uma vitória aqui, a título de referência, vale 20 pontos.

Foi bom ter vindo aqui não só pelas boas corridas que o sábado proporcionou, mas também por ver que o autódromo de Tarumã, onde eu não pisava já havia quase cinco anos, está passando por uma reforma, vai ganhar boa estrutura de boxes a partir da próxima semana, foi o que me disseram os gaúchos que orbitam o automobilismo. É, como era Cascavel, uma excelente pista de corridas, à qual só faltava um autódromo em volta.

As fotos que aparecem aqui são do Geovane Rediss, do site Action Photos, eu as pirateei via Facebook. Lá acima vemos o Willians Farias liderando a primeira corrida. Aí a baixo, à esquerda, Marçal Melo à frente do Alexis Pilau, que passaram a toda a segunda corrida separados por no máximo alguns palmos; à direita, o Pedro Queirolo, que extravasou com a primeira vitória.

sábado, 19 de maio de 2012

Matheus faz pole e larga em 10º...

VIAMÃO - Aqui em Tarumã o pessoal comemorou quando usei o sistema de som do autódromo, há pouco, para anunciar que Matheus Stumpf foi o mais rápido de seu treino classificatório na etapa do IberGT em Madri, na pista de Jarama, aquela que eu conheci pelo alto dois meses atrás.

Matheus foi pole em seu turno. Mas o regulamento ibérico estipula que o grid seja formado a partir da média dos tempos de todos os pilotos de cada carro – o gaúcho, bicampeão brasileiro de Gran Turismo, forma trio com os portugueses Rui Lapa e David Saraiva. Assim, eles vão alinhar o Ford GT da equipe Rodrive em décimo.

A corrida em Jarama vai acontecer neste domingo e terá 14 carros no grid. A pole é do Audi R8 do Team Novadriver – o grid está nesse link aqui. E o carro da Rodrive, que era todo colorido na etapa do Algarve, está branco. Precisou de uns reparos depois de um acidente com Lapa, sabe como é.

A corrida deste domingo terá largada às 11h35 locais, 8h35 de Brasília, com 2h10min de duração. A programação em Jarama não fica devendo nada ao público espanhol que gosta de automobilismo, como diria o Tiago Mendonça em seu bordão: o domingo também apresentará duas corridas do Maserati Trofeo MC World Series, com 40 minutos cada, e outras duas do Trofeo Jarama Gentlemen Drivers, com 45 minutos.

Na íntegra: Copa Marshal, 5/10

VIAMÃO - Aí estão, em VT, as provas da quinta etapa da Copa Marshal de Marcas & Pilotos, disputadas domingo passado em Interlagos. Com minha narração, como sempre. Para manter o suspense, não vou contar que o Wanderson Freitas ganhou as duas baterias e chegou a sete vitórias em 10 corridas.

A disputa foi forte nas três categorias. Quem puser o vídeo para rodar verá.


A sexta etapa da Copa Marshal, abrindo a segunda metade da temporada, terá suas corridas no dia 10 de junho, em Interlagos.

ASSISTA TAMBÉM:
Copa Marshal: primeira etapa

Copa Marshal: segunda etapa

Copa Marshal: terceira etapa

Copa Marshal: quarta etapa

Copa Marshal: sexta etapa

Copa Marshal: sétima etapa

A carteira do João

PORTO ALEGRE - O Joãozinho Gonçalves, que é comandante-capitão-tio-brother-camarada, está aqui no Rio Grande amado para disputar, daqui a pouco, as corridas do Audi DTCC no autódromo de Tarumã. É legal voltar a Tarumã, fazia quase cinco anos que eu não pisava no autódromo.

Depois das corridas, João terá de voltar voando (outro trocadilho besta; minha fase não é das melhores) a São Paulo, onde tem um compromisso no domingo. Ocorre que ele e o Marçal Melo, com quem forma dupla no Audi DTCC, também vão formar dupla, semana que vem, na segunda etapa do Brasileiro de Gran Turismo, em Curitiba. Para poder correr com o Ginetta G50, o João terá de se submeter a um exame de pilotagem no domingo, em Interlagos. Exigência da CBA, ele explicou.

Nada demais, a Confederação Brasileira de Automobilismo não pode e nem deve, de fato, liberar qualquer um para pilotar carros de corridas. Esse negócio machuca, às vezes mata, todos sabem. Mas confesso que a exigência me causa estranheza por alguns motivos, a saber. Primeiro, João participou do mesmo campeonato, o de Gran Turismo, em 2011, à época tratado como Itaipava GT Brasil, pela mesma categoria, a GT4, e com um modelo exatamente igual, um Ginetta G50. Conquistou duas pole-positions, em Interlagos e em Jacarepaguá. Seu parceiro era o Caê Coelho. A dupla esteve no pódio quatro vezes e terminou o campeonato em nono lugar.

Seria, à minha leiga compreensão, uma credencial mais que suficiente para poder correr em Curitiba sem despender o dia de amanhã ao tal teste. Mas tem mais. João, há pouco mais de dois anos, integra o time de instrutores da escola de pilotagem do Beto Manzini. Sim, senhores, o moço é professor de pilotagem, o que torna o vestibular de amanhã algo um tanto contrassensual. Para não extrapolar a cota de trocadilhos toscos da semana, poupo-os da história de ensinar o padre a rezar missas.

Isso tudo sem contar o vasto e vitorioso currículo que esse moço chamado João Henrique Gonçalves construiu nas pistas de kart. Que está devidamente esmiuçado no vídeo aí abaixo, que ele próprio, bastante caprichoso, produziu.

sexta-feira, 18 de maio de 2012

Mais um teaser


PORTO ALEGRE - Já ando tendo que tomar cuidado para não transformar isso aqui num blog da Moderfast, já que falei muito dos moderfásticos nesta semana, mas a ocasião avaliza.

Cheguei há pouco a Porto Alegre, para a locução das corridas de amanhã do Audi DTCC, terceira etapa. E, mesmo sem ter desvendado o mistério da humanidade que cerca a existência de um teaser, reproduzo aqui mais um teaser da Moderfast, produzido em Interlagos e ambientado na categoria da Audi. Dias atrás publiquei outro, esse aqui, produzido no ambiente do kart.

Será que posso aportuguesar e passar a escrever "tíser"?

Sertanejão na veia


PORTO ALEGRE - Tem havido muitos shows interessantes em Cascavel de uns tempos para cá, parece que a cidade resolveu engrenar em sua caminhada à condição de bom lugar para se viver. Tenho perdido todos, consequência da agenda corrida das corridas (trocadilho besta), agenda da qual não reclamo - pelo contrário, agradeço todos os dias.

Amanhã, por exemplo, perco dois shows, daqueles que dói na alma estar longe. Everton & Alex, parceiros dos bons, vão se apresentar no Cowboy Saloon com sua banda, a Rochel, da qual minha ilustríssima patroa faz parte. Até aí, sem grandes dramas; vivo indo aos shows do Everton do Alex, que dias atrás baixaram lá em casa e levaram no porta-malas o Valdy, que eu não via há uns bons 18 anos, e fazer umas modas com ele foi uma das grandes coisas do ano.

Mas, na carona de Everton & Alex, perco também o show de Gilberto & Gilmar, dupla da lista das pioneiras. Deles, tenho um cassete, ou K7, de quando regravaram o "Trem das sete" do Raul Seixas, foi no mesmo volume que lançaram "Capa de revista". "Só mais uma vez", a moda do vídeo aí em cima, está entre os principais sucessos deles. "Assino com X" é outro, que nunca pode faltar nas rodas de música sertaneja das quais sempre participo. Aí tem também "Música da saudade", "Palavras de amor", a lista de imperdíveis é quilométrica.

Nunca vi um show de Gilberto & Gilmar e sei que amanhã à noite, cá de Porto Alegre, vou estar puto nas calças (aprendi essa expressão anteontem, achei divertida) por não estar lá no Cowboy.

Vou pedir pra Juli filmar pra eu ver quando chegar em casa.

Milhares de bonés do Porsche Cup!

PORTO ALEGRE - Semana que vem teremos as primeiras corridas brasileiras na temporada do Porsche GT3 Cup Challenge Brasil. Depois da passagem por Portugal em março, com eventos no Estoril e no Algarve, as provas da terceira etapa vão acontecer no sábado, dia 26, em Interlagos.

E, antes que me perguntem, dessa vez não vou dar boné da categoria pra ninguém. Muito menos credencial de box. Mas a direção do evento vai.

A promoção porschecupística para a etapa de Interlagos será um tanto diferente do habitual praticado por todas as categorias que têm corridas lá: vamos recepcionar todos os torcedores na área de boxes, para que tenham contato direto com todo o ambiente da categoria.

Haverá um agrado especial para os primeiros espectadores que chegarem ao autódromo (e não me refiro aos dois ou três primeiros; no mínimo, aos primeiros 2.000, talvez até mais!). Cada torcedor vai receber no portão 7, depois do preencher um sucinto cupom, um boné confeccionado especialmente para o evento e uma credencial para acompanhar dos boxes as duas corridas da categoria Cup e também a prova da categoria Challenge.

A logística montada pra acolhermos o público nos boxes em Interlagos, aliás, estará toda direcionada à área de boxes, mesmo aqueles que não chegarem em tempo para ganhar o boné. Mais uma inovação do pessoal do Dener Pires, que não se cansa de inventar moda e, invariavelmente, acerta.

Isso tudo sem contar que quatro fãs da categoria vão dar voltas pela pista num Porsche de corrida, prêmio dessa outra promoção aqui, lançada durante a semana. O Porsche GT3 Brasil é uma mãe, não?

quinta-feira, 17 de maio de 2012

Volta rápida e indumentária

CASCAVEL - As brincadeiras que eventualmente faço por aqui valendo bonés de corridas, ingressos, camisetas e arregos afins acabam de ficar no chinelo diante da Promoção Porsche Experience, que o Porsche GT3 Cup Challenge Brasil acaba de colocar no ar em sua página no Facebook.

É um concurso cultural que vai premiar 30 participantes. Os quatro que obtiverem melhor classificação vão ganhar um kit com capacete, luvas e balaclava, acessórios que serão bastante úteis na parte mais interessante do prêmio - uma volta rápida num carro de competição da categoria, pilotado por um piloto profissional. Os contemplados irão à pista no próximo sábado, dia 26, durante a programação da terceira etapa da temporada, no autódromo de Interlagos. O kit também terá um boné da categoria e um par de ingressos com acesso aos boxes para que o internauta acompanhe o evento in loco.

Outros 26 participantes serão contemplados com bonés e pares de ingressos. Para concorrer, basta acessar esse link aqui e bolar uma resposta bem criativa para a pergunta da promoção. E torcer, claro.

Brasileiro na Nascar europeia

CASCAVEL - Aí está a largada da etapa de Nogaro, na França, da Euro Racecar. Uma categoria que utiliza carros antigos da Nascar norte-americana. São seis etapas, todas compostas por rodadas duplas.

A segunda etapa vai acontecer domingo agora, no circuito inglês de Brands Hatch, com um brasileiro na pista. É o Adriano Medeiros, que acumula experiência na Fórmula Ford inglesa, na Britcar - onde competiu com um Porsche 993 - e em provas de Endurance, como as 24 Horas de Barcelona. Ele vai pilotar o Chevrolet Camaro da equipe Autosport 42, o da foto aí abaixo, e ainda corre atrás de patrocínio pra poder seguir na competição. Seu parceiro será o francês Carole Perrin.

Além do Camaro, o grid da Euro Racecar tem os modelos Dodge Challenger, Dodge Charger e Ford Mustang. Os carros, todos eles, têm motores V8 com 450 cv de potência. A etapa de Brands Hatch terá 24 carros na pista.

As quatro etapas finais vão acontecer em Spa-Francorchamps, no oval Tours Speedway, em Valência e em Le Mans - respectivamente Bélgica, França, Espanha e de novo França.

quarta-feira, 16 de maio de 2012

Caê no Porsche Challenge

CASCAVEL - Esse é o provável layout do carro com que o Caê Coelho vai disputar o Porsche GT3 Challenge Brasil a partir da quarta etapa, marcada para dias 15 e 16 de junho em Londrina - vai ser a primeira aparição do evento porschístico no Autódromo Internacional Ayrton Senna.

Integrante da tal confraria Moderfast, já citada aqui nesta semana, Caê, ou Carlos Eduardo, chega à categoria trazendo a experiência que acumulou disputando o Brasileiro de GT pela categoria GT4, no ano passado, e também participações no Audi DTCC. Até agora não conseguiu lugar em uma categoria que não me tenha como locutor.

Ele, inclusive, adiou a estreia para o mês que vem porque na semana que vem, quando o Porsche GT3 Brasil terá em Interlagos as primeiras corridas do ano no Brasil, estará em Indianápolis acompanhando as 500 Milhas.

Bom negociador, Caê teve prontamente atendida a única exigência que fez ao Dener Pires, capitão da categoria: a de que todas as etapas acontecessem em cidades onde há restaurantes japoneses.

GT em vídeo

CASCAVEL - Faltando dez dias para o início da segunda etapa do Campeonato Brasileiro de Gran Turismo, temos aqui um bom clipe do evento do mês passado em Santa Cruz do Sul para matar as saudades das quatro categorias que compõem o evento organizado pela SRO. Clipes bem produzidos sempre têm espaço aqui no blog, é o que sempre digo.


E nunca é demais lembrar que sempre dá para ver e rever as corridas do mês passado em Santa Cruz do Sul - aqui mesmo no BLuc, dentre várias outras opções. Aqui estão a primeira etapa do Brasileiro de GT, a segunda da GT, a primeira do Mercedes-Benz Grand Challenge e, também, a segunda corrida da categoria monomarca, todas com minha narração.

terça-feira, 15 de maio de 2012

GT no shopping










CASCAVEL - Algumas ações isoladas já vão marcando a campanha de divulgação para a segunda etapa do Campeonato Brasileiro de Gran Turismo, que vai acontecer semana que vem em Curitiba.

Uma delas é a exposição, aberta ontem no Shopping Palladium, do Dodge Viper Competition Coupé da equipe Valorem-Alfacell, que compõe o grid da categoria GT Premium.

As corridas no Autódromo Internacional de Curitiba vão acontecer nos dias 26 e 27. E, se você ainda não participou, sempre é tempo de participar dessa promoção aqui, que vai dar pares de ingressos e de credenciais aos fãs da categoria.

segunda-feira, 14 de maio de 2012

Teaser moderfástico

CASCAVEL - No post aí de baixo sobre as agruras do Torrão Ciotti com um carro da Spyder Race, o próprio citou a Moderfast, confraria de kartistas que não se sabe de onde veio, não se sabe pra onde vai. Uma galera, literalmente, que se reúne pra rir, pra correr, pra beber, pra confraternizar, por se reunir.

Tem um teaser deles rolando na internet, embora até hoje ninguém tenha conseguido me esclarecer com precisão que diabos é um teaser. De modo ou outro, ficou bem feitinho, é produção da Sampa Filmes - a cena do olhar do Paulo Martinelli aos 54 segundos é o momento alto da produção, embora eu jurasse ser o Joãozinho Gonçalves.


E o site da Moderfast, segundo garantem seus juramentados integrantes, será ativado nesta semana.

Torrão feelings

CASCAVEL - O Marcelo Ramaciotti, que se não é deveria ser secretário das boas cervejadas da cidade de São Paulo, estava todo pimpão dias atrás. Fez um teste com um carro de corridas em Interlagos, um protótipo da Spyder Race. Estava por certo convencido da inconveniência da pecha de "piloto de autorama gigante" que lhe foi atribuída pelo Rogério Tranjan, um foragido do mundo virtual - Marcelo, ou Torrão, é piloto amador de kart.

Não tenho nada a ver com isso, e piloto testando em Interlagos sempre há às pencas. Até o dia em que vi algumas das fotos do Torrão na pista, e reproduzo algumas aqui nesse post. Todas foram feitas pelo Fabrício Vasconcelos. Nenhum mérito a eles - nem ao Torrão, nem ao Fabrício. Mas ao número do carro, o 66. Todos os carros de corrida do planeta deveriam ter esse número, o mesmo que eu usava quando fazia na pista as besteiras que o Torrão faz hoje.

Brincadeira à parte, queria ter estado lá. Conheço o Torrão o suficiente para atestar que lhe tenha sido, mesmo, um momento bastante especial, conforme ele próprio narra a seguir.

OS SONHOS
Desde pivete, amo o automobilismo. Minha mãe conta que quando tinha 5 anos, andava a milhão com meu velotrol cantando o “tema da vitória”. O grande culpado disso foi meu pai, que sempre me levava para Interlagos, ainda quando criança. Ainda bem, fui mordido pelo vício mais gostoso do mundo. Pena ser um dos mais caros, também.

Com o passar do tempo, sempre estive ligado na frente da TV, revistas e arquibancadas de autódromos e kartódromos por aí. Já aos 20, virei sinalizador em Interlagos. Aquilo era o mais próximo que já havia chegado das máquinas e pilotos que cresci venerando e babando de longe. Sempre pensava como seria ter meu próprio macacão, capacete personalizado e todos os equipamentos que um piloto precisa ter, mas nunca imaginei tê-los. Como sinalizador, eu podia, e precisava, usar meu carro para me locomover dentro do autódromo, e isso me obrigava a passar por alguns trechos da pista, obviamente. Entrar ali pela primeira vez, em 2003, mesmo que com meu Celta 1.0, foi a realização de um sonho que me tirou o sono por alguns meses, e quase o emprego de sinalizador também, já que o trecho que deveria ser percorrido transformou-se em algumas voltas no templo.

A partir desse dia, tinha alguns objetivos no quesito automobilismo. Voltas “rápidas” em Interlagos, eu já havia feito com meu super carro de rua. Depois, queria andar em um carro rápido lá, mesmo que como passageiro. Esse foi o Otávio Mesquita que realizou, com seu Porsche GT3 de rua em 2004. Os próximos eram abusados. Queria correr alguma categoria não amadora, nem que fosse de kart. Como muitos já sabem, disputo a Copa SP de Kart pela equipe ModerFast desde 2010. Depois disso, passei a viver meus fins de semana em autódromos e kartódromos, fosse para correr, assistir, ajudar, fazer rádio dos amigos ou o que quer que fosse. Outro desses objetivos abusados, era guiar um carro de corrida, seja qual e onde fosse. Piracicaba, 2011, lá estava eu andando de Stock Jr. Mas ainda faltava um... Andar em um carro de corrida em Interlagos. Maio de 2012, sentei pela primeira vez em um Spyder, para um treino em Interlagos, num carrinho fantástico de mais de 220cv, onde pude finalmente sentir a real sensação do que é ser piloto.

O teste
Data e hora agendada, carro e inscrição fechados, lá vou eu para Interlagos. Capacete lustrado, macacão de nomex emprestado, cheguei ao autódromo por volta das 8 da manhã, para o teste que aconteceria às 10. Estava tenso, obviamente. Aliás, fico tenso sempre que vou andar de qualquer coisa, pode ser até kart indoor. Essa agonia só passa quando ligam o motor da barata e me mandam acelerar.

Instalei a GoPro para registrar os momentos, me troquei, peguei uns toques com os amigos pilotos que lá estavam e esperei o horário de abrir box. Como o custo da brincadeira é alto, dividiríamos o teste em 4 pilotos, e andaríamos pouco mais de meia hora cada um. O primeiro a sair do box com a máquina foi o Antonio de Luca, outro ModerFast, que seria responsável por amaciar o motor e câmbios novos por umas 3 ou 4 voltas e para depois sim acelerar como deve ser. Enfim, chegou minha hora. Depois de umas 10 voltas, o amigo encostou o carro e era minha vez. Vesti capacete, Hans, luvas e os mecas me afivelaram no carro, que é muito confortável, aliás. Já entrei em vários carros de corrida, mas nenhum havia aceitado tão bem meus quase 1,90m. Isso foi bom, me senti a vontade ali dentro. Segundo relatos dos amigos Fábio Vianna e Fabrício Vasconcelos, minha mão ao arrumar o retrovisor parecia de alguém que está nu nos Andes. Eu nego tal nervosismo extremo.

Liguei o carro, engatei primeira e... O diretor de prova veio me tirar dele, havia esquecido de assinar a inscrição. Toca descer do carro, correr na torre e arrumar o que estava errado. Voltei pro carro, me amarraram de novo, liguei a barata, engatei primeira, segunda e quando estava na saí da de box, bandeira vermelha, me barraram. Perguntei o que estava acontecendo e o fiscal me avisou que era um carro que estava pegando fogo na pista, depois de um acidente. Olhando para ele, me lembrei de quando eu estava ali, olhando para onde eu estava agora, dentro do carro, desejando aquilo como jamais desejei algo em toda minha vida. Por um certo momento, desejei novamente ser fiscal. Juntou o nervoso com um certo medo e aquele pensamento de que alguém estava me avisando para não fazer aquilo batia na minha cabeça como um martelo. Mas eu sou teimoso, e como sou. Bandeira verde novamente, lá vou eu para a pista. Desci a saída dos boxes, entrei na reta oposta e acelerei. Meu Deus, que susto. Como aquele carrinho anda... Aí a veia de piloto maluco falou mais alto. Todo o receio, medo, nervoso e qualquer sentimento ruim ficaram nos boxes. Aos poucos fui me soltando e curtindo cada minuto da brincadeira. Uns sustos, umas quase rodadas e apertando o da direita cada vez mais. Foram 3 voltas e logo o motor começou a falhar, até apagar no fim da reta e me fazer estacionar depois da primeira perna do S do Senna e ser rebocado de volta. Problema na bomba de combustível. Arrumaram e voltei para a pista no próximo treino, o das 13 horas. Mais confiante, saí com a idéia de entender o carro e tentar fazer alguma coisa que não fosse vergonhosa para com o cronômetro, volta a volta, afinal de contas, ainda tinha umas 10 pela frente. Primeira volta, virei 1’59”344. O tempo desse carro, com pneus novos e um piloto profissional guiando é de 1’44”. Estava longe disso, mas sabia exatamente onde poderia ir mais longe e pretendia chegar o mais perto do tempo ideal que pudesse. Na segunda volta, menos 5”, 1’54”290. Na terceira, abusei um pouco mais e dei uma bela atravessada no Lago. Tomei um baita susto, achei que fosse de frente nos pneus, mas nem rodei e fui embora. Cruzei com o mesmo tempo da primeira volta, mesmo com o incidente narrado. Na quarta volta vinha para baixar mais uns 4”, mas infelizmente a bomba foi pro espaço de novo na junção e tive que encostar no box, me arrastando. Foi o fim do dia para mim, afinal, mais pilotos queriam brincar, e eu não era o dono da bola.

Foi pouco, mas foi muito. Achei que esse objetivo seria alcançado aos 40 anos, ou próximo disso, quando pudesse bancar minha brincadeira. Se aconteceu, é porque tudo está dando certo e isso é sinal que posso criar objetivos ainda mais “difíceis”. E eles já foram criados, tenham certeza disso.

Em breve, quem sabe, volto para contar a experiência de realizá-los.


20 minutos

CASCAVEL - Não vai mudar nada, como nada muda nada, mas fica o registro.

Reza a lenda que há uma lei determinando em 20 minutos o tempo máximo de espera em filas de bancos. A Juli foi ao Bradesco agora há pouco, sei lá o que ela tinha pra resolver lá. Tirou a senha 033 para atendimento, até mandou a foto aí. Falta foco, mas a senha foi retirada às 11h16. O atendimento aconteceu faltando poucos minutos, menos de dez, para o meio-dia.

Não foi lá a maior demora do mundo, é verdade. Mas chama atenção o descaso do banco com a clientela quando a Juli narra que havia apenas uma operadora de caixa atendendo todo mundo. Uma. É por descasos assim que já abrimos conta noutro banco, o Santander, que é bem mais viável, embora seja contumaz em ter os terminais de autoatendimento "fora do sistema". Sempre há o sistema pra ferrar a agenda de alguém, em tudo.

Do episódio de hoje, fica ao menos um palpitezinho pro jogo do bicho. 033 é cobra. Acho que vou voltar a fazer minha fezinha no bicho. Num país que não consegue fazer valer uma lei simples como a da permanência máxima em filas, corno nenhum vai poder falar uma vírgula sobre eu tentar uns cobres numa jogatina que, por não recolher impostos, é taxada como contravenção. E paga 16 por um no grupo, que é uma das apostas mais simples.