terça-feira, 24 de julho de 2012

Tinha que ser o Carlos, mesmo!

LEIA TAMBÉM:
O fim está próximo

Um tchau a Jacarepaguá

Cascavel e o GT

CASCAVEL
- Rapidinho, já que o tempo urge e o caminho para São Paulo é grande, vale o registrinho de que em minha última aparição no autódromo de Jacarepaguá tive a satisfação de conhecer o Carlos Seidl. Ator e dublador desde a década de 60, Carlos teve seu trabalho eternizado para o público brasileiro dando voz ao divertido Seu Madruga, do enlatado mexicano "Chaves".

Durante a transmissão da etapa de domingo do Brasileiro de GT, inclusive, colocamos o "Seu Madruga" a falar com o público da Rede TV!. Gentil e de bom papo, o Carlos ainda se dispôs a gravar um autógrafo de uns 15 ou 20 segundos pro meu filho de cinco anos, que se diverte bastante vendo os episódios do "Chaves" e do "Chapolim Colorado" na televisão. Mandei a gravação ao Juninho pelo e-mail da Juli, e segundo ela ele arregalou os olhinhos quando percebeu que era o Seu Madruga falando com ele.

Sei lá se isso não deu um nó na cabeça do moleque. Tenho impressão de ter contado a ele, tempos atrás, que Seu Madruga já morreu. Tenho de resolver isso.

Sempre tive bastante curiosidade sobre esse trabalho de dublagem, e os bons minutos de papo com Carlos Seidl nos restos mortais de Jacarepaguá, falo do autódromo, esclareceram bastante coisa. Trabalho é o que não falta, ele garantiu. Foi divertido ver que, quando fala com a voz que dava aos personagens que dublou, ele procura imitar também seus trejeitos. "É para incorporar melhor o espírito da cena. Quando você dubla sem estar vendo a cena é bem mais complicado", contou. É de se supor que sim.

1 comentários:

Silver disse...

Devia ter levado ele na sala de imprensa! Queria conhecê-lo!